Itália enviará militares para monitorar centro de migrantes

(Foto: ANSA)

ROMA – Cerca de 90 militares italianos serão enviados no início da semana que vem para monitorar um centro de registro e acolhimento de migrantes e refugiados na cidade de Pozzallo, situada na ilha da Sicília, sul do país.

A decisão foi tomada pela prefeita da Província de Ragusa, Filippina Cocuzza, após a detecção de 73 casos positivos do coronavírus Sars-CoV-2 no local. Os militares do Exército devem chegar a Pozzallo na próxima segunda-feira (17), com o objetivo de evitar violações da quarentena imposta aos infectados.

Nas últimas semanas, a Itália registrou diversas tentativas de rompimento de cordões sanitários em centros de migrantes e refugiados com casos de coronavírus, inclusive em Pozzallo. Em alguns casos, as ações foram motivadas por rumores sobre repatriações para os países de origem; em outros, pelo temor dos deslocados internacionais de perderem seus empregos.

“Pozzallo acolheu e continuará fazendo isso, mas é preciso encontrar um equilíbrio que proteja os migrantes, mas que também permita que turistas e residentes continuem suas atividades cotidianas”, declarou o prefeito da cidade, Roberto Ammatuna, de centro-esquerda.