Indonésia começa vacinação contra a Covid-19 com uso da Coronavac

O presidente Joko Widodo recebeu a primeira dose do imunizante (Foto: Reprodução/Twitter)

JACARTA – A Indonésia iniciou a vacinação contra o novo coronavírus, após aprovar o uso emergencial da Coronavac no país. O presidente Joko Widodo recebeu a primeira dose do imunizante nesta quarta-feira, 13. A vacina, desenvolvida pela chinesa Sinovac Biotech, é a mesma fabricada pelo Instituto Butantan no Brasil.

O programa de vacinação da Indonésia é o primeiro fora da China a usar a Coronavac em larga escala. O país já registrou mais de 846 mil casos do novo coronavírus, com mais de 24,6 mil mortes.O uso condicional da vacina está programado para ser liberado nos próximos meses, com prioridade para os profissionais de saúde, funcionários públicos e outros grupos de risco. A imunização será gratuita para todos os cidadãos do país.

O ministro da Saúde da Indonésia, Budi Gunadi Sadikin, disse que o país precisa vacinar 181,5 milhões de pessoas, ou cerca de 67% da população, para alcançar a imunidade coletiva. Isso significa que a vacinação em duas doses exigiria quase 427 milhões de doses, incluindo uma taxa de perda estimada em 15%.

A Indonésia recebeu o primeiro lote da Coronavac no dia 6 de dezembro e o guardou em armazéns resfriados cercados por guardas armados. Autoridades começaram a distribuir o imunizante para locais considerados chave ao redor do país enquanto aguardavam a autorização para uso.

BRASIL AINDA ESPERA

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) fará reunião de diretoria colegiada no domingo (17) para decidir sobre pedidos de uso emergencial das vacinas Coronavac e de Oxford/AstraZeneca. “Para tanto, faz-se necessária a entrega, em tempo hábil para análise, dos documentos faltantes e complementares”, afirma a agência, em nota.

A diretoria da Anvisa é formada por cinco diretores, sendo o médico e contra-almirante Antonio Barra Torres o presidente do órgão. A data da reunião será no penúltimo dia de prazo estimado pela própria agência para análise dos pedidos.

Segundo painel disponibilizado no site da Anvisa, o Instituto Butantan ainda não apresentou 5,47% dos documentos exigidos para o uso emergencial da Coronavac. Outros 37,64% da documentação ainda estão “pendente de complementação”. Já 16,19% estão em análise e 40,7% dos documentos tiveram a avaliação concluída.

Já a Fiocruz apresentou todos os documentos exigidos para liberar o uso emergencial da vacina de Oxford/AstraZeneca. Um total de 14,44% da documentação ainda está “pendente de complementação”. Outros 53,17% estão em análise e 32,39% dos documentos tiveram a avaliação concluída.

O governo federal afirma que, no melhor cenário, começará a vacinar em 20 de janeiro. Para isso, depende do aval da Anvisa.