França indicia 7 pessoas por decapitação de professor

PARIS – A França indiciou formalmente nesta quinta-feira, 22, sete pessoas por cumplicidade “no assassinato terrorista” do professor de história Samuel Paty, ocorrido no dia 16.

Entre os acusados, está o pai da aluna que publicou um vídeo no YouTube com acusações contra a vítima, o ativista islamista Abdelhakim Sefrioui, e dois amigos do assassino, Naim B. e Azim E. O jovem checheno de 18 anos que cometeu a decapitação, identificado como Abdoullakh Anzorov, foi morto por policiais no dia do crime.

Nesta quinta, a agência francesa AFP revelou que Anzorov tinha contatos frequentes com um líder jihadista na Síria, ainda não identificado. Já o “Le Parisien” informa que o homem investigado mora em Idlib, um dos antigos redutos do grupo terrorista Estado Islâmico.

Como os depoimentos sobre o assassinato são sigilosos, as informações sobre a morte de Paty vão saindo aos poucos na mídia francesa. E, segundo a “France Info”, o caso que envolve o pai de uma das estudantes – apontado como um dos principais estopins para o crime – pode ter surgido por uma denúncia falsa.

Segundo o portal, Paty chegou a ser interrogado pela polícia por conta da aula que causou “comoção” entre os alunos da 7ª série do ensino fundamental. O professor tinha avisado um dia antes de mostrar as caricaturas de Maomé em uma aula para debater a liberdade de expressão, que os alunos que não quisessem participar poderiam sair da sala ou fechar os olhos quando as imagens fossem mostradas.

Nesse momento, a estudante teria iniciado uma discussão com o professor de maneira tão forte que a diretoria da escola interveio. Assim, a diretoria suspendeu a aluna por alguns dias – seria a 10ª expulsão dela da escola só neste ano. Por isso, ela não participou da aula em si.

Só que ao chegar em casa, ela relatou para o pai que o professor iria mostrar “imagens pornográficas” na sala de aula. Irritado, o homem postou um vídeo no YouTube com dados pessoais do professor, que chamou de bandido. Durante a gravação, o homem dizia também que a filha tinha sido expulsa da aula por se recusar a deixar a classe – o que era impossível, já que ela sequer estava na escola por estar suspensa.

“Ela inventou uma história através de rumores de colegas. Trata-se de uma falsa declaração com o objetivo de prejudicar a imagem do professor que eu represento, da escola e da educação como instituição”, disse Paty aos policiais, segundo a “France Info”.

Ainda conforme o portal, Anzorov entrou em contato com o pai da aluna quatro dias após o caso e eles teriam trocado informações sobre o professor.

Na MANCHETE USA, dezenas de jornalistas trabalham para levar a você as informações apuradas com mais cuidado e para cumprir sua missão de serviço público. Se quiser apoiar nosso jornalismo e ter acesso ilimitado, pode fazê-lo aqui por US$12.99 por um semestre de nossos boletins exclusivos.