Campanha de Trump arrecada mais de US$ 60 mi durante julgamento do impeachment

Presidente Donald Trump em imagem de arquivo

WASHINGTON – A campanha à reeleição do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, arrecadou mais de US$ 60 milhões em janeiro, durante o contexto de impeachment que ameaçava o mandato do republicano.

A Câmara dos Deputados, liderada pelos democratas, acusou Trump em 18 de dezembro, tornando-o o terceiro presidente da história norte-americana a ter essa marca em seu legado. Mas a Casa esperou até meados de janeiro para enviar os artigos de impeachment ao Senado para um julgamento sobre a sua destituição. O Senado o absolveu em 5 de fevereiro.

“O vergonhoso processo de impeachment dos democratas e o caos nas primárias apenas contribuíram” para o apoio financeiro à reeleição de Trump, disse Brad Parscale, gerente de campanha do presidente, em um comunicado, aparentemente referindo-se ao desastre do caucus democrata em Iowa na semana passada.

A campanha, os comitês de captação de recursos e o Comitê Nacional Republicano arrecadaram US$ 60,6 milhões no mês passado e agora têm mais de US$ 200 milhões de, revelou a equipe de Trump 2020.

As campanhas gastam milhões de dólares para comprar publicidade na televisão, pagar funcionários e cobrir as outras despesas necessárias para ganhar a eleição.

O atual líder na disputa interna do Partido Democrata para concorrer à Presidência pela legenda, o senador Bernie Sanders, levantou US$25 milhões em janeiro, o melhor mês de sua campanha.

O site Open Secrets descobriu que o comitê de campanha de Trump e grupos externos captaram UD$ 232,09 milhões até 3 de fevereiro, com base em dados da Comissão Federal de Eleições. Segundo a mesma fonte, Sanders conta com cerca de US$ 108 milhões.

Os únicos possíveis concorrentes de Trump no lado democrata, com quase o seu montante de apoio – Michael Bloomberg e Tom Steyer – são bilionários colocando fundos pessoais, sem investimento externo,  em suas corridas. O comitê de campanha de Steyer tem US$205,38 milhões, enquanto o de Bloomberg soma US$200,36 milhões.

A campanha do ex-vice-presidente Joe Biden, que estava no centro da controvérsia do impeachment, tinha apenas US$59,55 milhões em janeiro.

(Com Reuters)