Câmera flagra instante em que policial atira e mata adolescente de 13 anos em Chicago

CHICAGO – A polícia de Chicago, no Illinois, divulgou nesta quinta-feira, 15, imagens de um policial atirando e matando o adolescente de 13 anos, Adam Toledo, enquanto o jovem estava com as mãos para o alto. O vídeo foi gravado pela câmera acoplada ao equipamento do agente durante a ação ocorrida em 29 de março.

De acordo com a polícia, o menino portava uma arma de fogo. Entretanto, pelas imagens divulgadas, não é possível ver se ele realmente estava armado no momento da abordagem.

O vídeo mostra o policial correndo atrás de Toledo e pedindo que ele parasse de correr e mostrasse as mãos. O rapaz, então, para e ergue os braços. Imediatamente depois, o agente atira no peito do jovem. Pela rapidez das imagens, não fica claro se elas estavam vazias ou se realmente seguravam uma arma. Em seguida, a polícia chama uma ambulância. Toledo, porém, não resiste ao ferimento e morre no local.

A advogada contratada pela família do jovem, Adeena J. Weiss-Ortiz, nega que ele estivesse armado. “Os vídeos falam por si. Adam, em seu último segundo de vida, não tinha uma arma em suas mãos. O policial gritou: ‘Mostre suas mãos'”, observa.

“Adam obedeceu, se virou. Suas mãos estavam vazias quando ele foi baleado no peito pelo policial”, defendeu a advogada

Entretanto, a polícia sustenta que o rapaz portava, sim, uma arma, que é mostrada em outro momento do vídeo. Um frame — ou seja, um instante capturado do vídeo — divulgado aponta que Toledo estava armado logo antes de soltá-la e ser baleado.

Em entrevista coletiva, a prefeita de Chicago, Lori Lightfoot, pediu que as pessoas mantivessem a calma e evitassem chegar a “conclusões apressadas” sobre a morte de Toledo, mas reconheceu o problema da violência policial.

“Vivemos em uma cidade traumatizada pela longa história de violência policial e más condutas. Então, embora não tenhamos informações o bastante para sermos juízes e jurados desta situação particular, é compreensível que tantos de nossos moradores estejam sentindo toda essa explosão de raiva e dor tão familiar”, afirmou.

* Com Agências